Asakusa, uma visita obrigatória para quem vai a Tóquio.

Ao fundo, o portão Kaminarimon, o "portão do Trovão", ladeado
por duas estátuas guardiãs.



Loja especializada em macha: chá verde em pó que pode ser usado
para preparar uma bebida quente ou fria.

Se tivesse de recomendar um roteiro de um dia para alguém que só tivesse 24 horas para passear em Tóquio, Asakusa seria o ponto de partida, terminando o dia em Shibuya. Asakusa é um distrito onde se respira a atmosfera do passado. É talvez o o local mais turístico da cidade e facilmente se percebe o motivo para tal. Tóquio foi fortemente bombardeada durante a Segunda Guerra Mundial e sobraram muito poucos edifícios antigos. Dos poucos que sobraram, a maior parte concentra-se aqui. Asakusa é também um dos pontos de partida ou de chegada dos cruzeiros no rio Sumida, um passeio recomendável que permite apreciar o contraste entre edifícios modernos e casas pequenas mais antigas, muitas delas adaptadas a lojas, restaurantes e ryokans (pousadas tradicionais). Mas a maior atracção de Asakusa é sem dúvida o Templo Kannon, também designado por Sensoji. A entrada é gratuíta.

Dá para sair desta rua com o traje completo e o penteado
de uma gueisha. esta loja é especializada em cabeleiras
postiças, ganchos e travessões
A montra de uma loja de doces. São quase todos feitos com feijão ou castanha
e, de um modo geral, não valem nada... Podemos provar para comprovar.

A Nakamise Dori tem 200 metros de comprimento e está repleta de lojinhas
que vendem doces, chá, bonecas,tecidos, kimonos, yukatas, leques, bijutaria
de geisha, malas, gravuras, postais, chinelos de madeira, máscaras,
sombrinhas, etc 
Nesta altura do ano, Outubro, a decoração remete para o Outono.
Em Maio, é celebrado aqui um evento importante, o Sanja Matsuri
Pagode de cinco pisos, uma réplica feita em 1973.


Queimador de incenso, sempre rodeado de pessoas que se banham em fumo
em busca de protecção para a sua saúde.



Para chegar ao tempo Senso Ji, é preciso atravessar a Nakamise Dori, uma rua repleta de pequenas lojas que vendem doces e artesanato japonês a preços um pouco mais elevados do que noutras lojas do Japão. Mas a Nakamise apresenta a vantagem de concentrar num só espaço uma enorme variedade de artigos. Pode compensar para quem tiver pouco tempo.



Kannon é a deusa budista da misericórdia. Em 628 d. C,, dois pescadores encontraram uma pequena estátua de ouro desta deusa e conta a lenda que, apesar de a terem devolvido ao mar, ela continuava a vir à superfície. Consequentemente, em 645 d.C. foi construído um pequeno templo em sua homenagem, o mais antigo da cidade. Mas o templo Sensoju que vemos hoje em Asakusa não é o original já que este foi destruído na Segunda Guerra Mundial. Trata-se de uma reconstrução que recriam o estilo do período Edo. Aliás, como viria a confirmar ao longo desta viagem, quase todos os monumentos que vemos no Japão foram destruídos em guerras, terramotos ou incêndios. É raríssimo encontrar um templo que tenha sobrevivido intacto ao passar dos séculos.



Vale a pena passar aqui algum tempo a observar os rituais budistas dos japoneses. A forma como rezam, como fazem dádivas e como pedem desejos. Enquanto observava estas tradições, fui interpelada por uma senhora de um canal de televisão japonês que me perguntou se podia colaborar, sendo entrevistada por ela e participando numa pequena brincadeira. Mesmo sem saber exactamente do que se tratava, disse logo que sim. Só depois é que ela explicou que a ideia consistia em colocar uns auscultadores, ouvir um excerto de uma música tradicional japonesa e cantá-la em simultâneo para que as imagens fossem passada num concurso onde os participantes tinha que adivinhar que canções cantavam os turistas. E eu alinhei, meio perdida de riso, Afinal, ninguém me conhece naquele país. Como recompensa, ofereceram-me uma pequena peça de artesanato. Mas o melhor de tudo, foi o momento de galhofa, devidamente registado numa gravação de telemóvel, que dificilmente irei esquecer. Que bom que é ser anónimo num país onde ninguém nos conhece. Não sei se teria lata para fazer o mesmo em Portugal.

A avenida do templo de Asakusa
Ao fundo, um edíficio com a assinatura
de Philip  Stark, a fábrica de cerveja Asahi.