Hamarykiu Garden e a paixão dos japoneses pela Natureza







Não há nada como visitar uma cidade com tempo e foi precisamente por ter mais tempo e por saber o que valia a pena ver e rever que gostei tanto de regressar a Tóquio e voltava a ir lá já amanhã se pudesse. Uma das coisas que queria mesmo fazer nesta segunda viagem era passar algum tempo a ver jardins públicos. Nunca tinha entrado em nenhum, apenas tinha visto jardins de alguns templos em Kyoto. Mas quis ir ver aquele que é considerado o jardim mais bonito de Tóquio, em Shimbashi, no distrito de Chuo, coladinho ao rio Sumida e já perto de Ginza. Trata.se um jardim histórico que pertenceu a um senhor feudal que o utilizava como zona de caça de patos e de criação de falcões. Hoje em dia, é um jardim concorrido, onde os japoneses gostam de passear, fazer piqueniques, lanchar (tem uma casa de chá) e fazer fotografias. muitas fotografias a todas as flores que apanham pela frente.  O jardim vê-se em cerca de uma hora e meia e a entrada custa 200 yenes (2 euros).

As famílias vêm equipadas de casas com quadrados de plástico azul onde
se sentam. deitam e dormitam.

Existe um horto no jardim e várias bancas que vendem plantas e fazem
 workshops de jardinagem.

O contraste é grande: pinheiros com mais de 300 anos têm como pano
 de fundo os arranha-céus de Shimbashi.

O jardim contém vários lagos e muitas pontes que os atravessam.
Um dos antigos postos de observação de patos

Ao centro, a casa de Chá. quase todos os grandes jardins têm uma.
Uma taça de chá verde acompanhada de um pequeno doce
custa 500  ou 700 yenes (5 ou 7 euros)





O interior das casas de chá é sempre minimalista e despojado de mobiliário.