Pescadores e vendedores de peixe

Atum, peixe-serra, garoupa e cavalas são os peixes mais comuns
que as redes apanham.

Aqui é que se vê bem como a água do mar é apetitiosa!
Este rapaz estava a pescar à linha, enrolando o fio numa garrafa pequena de plástico
Ir ao pontão da praia de Santa Maria era um dos meus rituais da manhã, até porque era uma forma de fazer uma caminhada entre zona do hotel e o pontão e vice-versa. Estive sempre à espera de ver tubarão à venda, mas não tive sorte. Porque há tubarões no mar alto e, de vez em quando, lá aparece um no pontão. E apesar de não aparecerm nos menus dos restaurantes, os cabo-vedianos gostam de o comer e dizem que é excelente. Felizmente, nunca se aproximam da praia. A verdade é que nunca oui histórias de alguem levar uma "nhaca" de tubarão em Cabo Verde. Aí é que o turismo ia ao galheiro. Mas voltando ao peixe, estar no pontão é sempre animadíssimo. Dá para assistir a cenas caricatas, como discussões acesas entre peixeiras e compradores, muitos deles chefes de restaurantes ou pessoal dos hotéis. Assisti a uma verdadeira pude entender, 24 quilos de peixe-serra custavam "seis conto", ou seja, cerca de 30 euros. Uma pechincha! E com os pratos de peixe a custarem entre 6 e 12 euros cada, dá para fazer uma pequena ideia do que lucram alguns restaurantes. Ora aqui está uma ideia de negócio para quem estiver farto da gravata e quiser mudar de vida.